Xiaomi deixa de ser “empresa militar comunista chinesa” para os EUA | Negócios

Buffon é oferecido ao Benfica para a próxima temporada – Lance
maio 26, 2021
Primeira etapa do programa Revoga-MS será divulgado nesta quarta em videoconferência – Portal do Governo de Mato Grosso do Sul
maio 26, 2021

Xiaomi deixa de ser “empresa militar comunista chinesa” para os EUA | Negócios

A Xiaomi não é mais uma “empresa militar comunista chinesa” para os Estados Unidos. As autoridades americanas removeram a designação conferida à companhia no começo do ano, quando o país ainda estava sob a administração de Donald Trump. A mudança foi anunciada nesta quarta-feira (26) em um comunicado assinado pelo CEO Lei Jun.

Novo logo da Xiaomi (Imagem: divulgação/Xiaomi)

Novo logo da Xiaomi (Imagem: divulgação/Xiaomi)

O comunicado vem a público após a Xiaomi e o governo local chegarem a um acordo sobre o caso. Na carta, o executivo diz que o Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Columbia deu ordem final ao Departamento de Defesa para anular a designação de “empresa militar comunista chinesa”. A decisão aconteceu nesta terça-feira (25).

A medida dá fim as barreiras impostas pela qualificação conferida pelas autoridades do país em janeiro de 2021. De acordo com a companhia, “ao anular a designação, o tribunal suspendeu formalmente todas as restrições à capacidade de os americanos comprarem ou manterem títulos da empresa”.

A Xiaomi ainda agradeceu pelo apoio de acionistas, colaboradores, parceiros e usuários e destacou que é uma empresa aberta, transparente, de capital aberto, operada e administrada de forma independente. A fabricante também disse que vai continuar a oferecer produtos confiáveis e com “preços honestos para permitir que todos no mundo desfrutem de uma vida melhor através de tecnologias inovadoras”.

Xiaomi nega ser “empresa militar comunista chinesa”

O anúncio dessa semana é sequência a um caso iniciado em janeiro. Na época, o governo dos Estados Unidos incluiu a Xiaomi e outras companhias da China em uma lista de “empresas militares comunistas chinesas”. Imediatamente, a fabricante negou a designação do Departamento de Defesa do país e declarou-se como independente.

A companhia processou o governo dos Estados Unidos dias depois. Em comunicado, a fabricantes de celulares Mi, Redmi e Poco declarou que a decisão das autoridades americanas “foi factualmente incorreta e privou a empresa de devido processo legal”. Mais tarde, em março, a empresa conseguiu bloquear as sanções com liminar da Justiça.

A Xiaomi teve outra boa notícia em meados de maio. Segundo a Bloomberg no último dia 12, a companhia fechou um acordo com as autoridades dos Estados Unidos para escapar das sanções. Na ocasião, o Departamento de Defesa americano concordou que uma ordem final para retirar a empresa da lista “seria apropriada”.

Com informações: Xiaomi (Blog)

Fonte da Notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *