Governo propõe diálogo com outros estados para tratar sobre refugiados da Venezuela – Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Overwatch faz evento de aniversário com desconto de 50% e novas skins | Jogos
maio 19, 2021
Juventus derrota Atalanta por 2 a 1 e é campeã da Copa Itália pela 14ª vez – Esportes
maio 19, 2021

Governo propõe diálogo com outros estados para tratar sobre refugiados da Venezuela – Portal do Governo de Mato Grosso do Sul


O governador Reinaldo Azambuja se reuniu quarta-feira (19) com a embaixadora da Venezuela, Maria Teresa Belandria, que veio a Mato Grosso do Sul pedir apoio em relação a regularização de venezuelanos que entraram de forma ilegal no Estado. Outra preocupação é em relação a segurança pública e a troca de informações entre as autoridades.

Para tratar do tema, o governador pediu ao secretário de Segurança e Justiça, Antônio Carlos Videira, que entre em contato com os secretários de Roraima e Amazonas, além do ministro da Justiça, Anderson Torres, para que haja uma ação em conjunto e uma tratativa coordenada em âmbito nacional.

“Compartilhamos desta preocupação, e entendemos que precisa de uma ação nacional, para que estes refugiados tenham acesso a documentação, estando legal no País. Sabemos da situação da Venezuela e somos a favor de eleições democráticas”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Antônio Carlos Videira ressaltou que entrada ilegal de venezuelanos no Brasil e em Mato Grosso do Sul é uma preocupação de vários secretários, já que estas pessoas ficam vulneráveis ao crime organizado, com impacto direto na segurança pública com os estados fronteiriços.

“Mato Grosso do Sul é um estado de fronteira com o Paraguai e Bolívia e recebeu grande grupo de forma ilegal, por isso é importante este contato com os secretários de outros estados e governo federal, para que haja um controle destas pessoas, mas é uma pauta nacional”, descreveu o secretário.

A embaixadora ressaltou que já visitou 15 estados para tratar do tema e que estes refugiados que entram de forma ilegal, sem documento, podem estar sujeitos a facções criminosas e até trabalho escravo. “Eles estão nas ruas sem documento. Cerca de 90% são de famílias”.

Ela faz parte do governo interino de Juan Guaidó, que já foi reconhecido por 60 países, incluindo o Brasil. “Esta situação ocorre devido a crise política que ocorre na Venezuela. Muitos estão em busca de novas oportunidades, outros são refugiados políticos”.

Reunião do governador com a embaixadora da Venezuela (Foto: Chico Ribeiro)

Encaminhamento

A titular da Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho), Elisa Cleia Nobre, explicou que o governo do Estado ajuda os refugiados e migrantes, por meio do Cadh (Centro de Atendimento em Direitos Humanos), com encaminhamento para o Cras (Centro de Referência de Assistência Social), Polícia Federal ou qualquer serviço emergencial que necessitem.

“O atendimento é feito para qualquer migrante que nos procurar. No caso da regularização de documentos, fazemos a mediação junto a Polícia Federal, inclusive temos intérpretes para ajudar o migrante, que muitas vezes tem dificuldades por causa da língua”, disse a secretária.

Participaram da reunião com o governador e a embaixadora, o secretário de Segurança e Justiça, Antônio Carlos Videira, a titular da Sedhast, Elisa Cleia Nobre, o titular da Semagro, Jaime Verruck e o deputado federal, Luiz Ovando. 

Leonardo Rocha, Subcom

Fotos: Chico Ribeiro



Fonte da Notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *